terça-feira, 30 de maio de 2017

O QUE SERÁ DA FOTOGRAFIA DEPOIS DOS DRONES ?


Pelo título da postagem, alguns irão imaginar que os drones irão tomar conta do mundo da fotografia, porém estão errados, pelo menos nesse momento. Fotos em ambientes fechados (indoor), ou que exijam uma proximidade maior do objeto ou pessoa e também fotografias macro ainda não são tão óbvias, ao menos que você queira arriscar o equipamento ou o objeto da fotografia.

Em relação às fotos de paisagem, essa concorrência começa a ficar desleal, não pela qualidade da foto, mas pela infinidade de ângulos que o drone possibilita que você tenha, basta ter criatividade. Porém um ponto é fundamental, tanto por trás de uma câmera ou drone, vai sempre haver a necessidade de uma pessoa inspirada e que tenha os conhecimentos técnicos mínimos para se ter uma boa fotografia.


1 - TIPOS DE DRONES:

Hoje existem drones para os mais diversos fins, existem drones de corrida, para agricultura, para fotos, selfies ..... Nessa postagem vou focar mais nos dois tipos que mais devem interessar aos leitores do blog, que são o de selfie e de foto/filmagem amadores e profissionais. A principal diferença entre ambos é a performance, qualidade da foto e o preço.

Quando se fala de preço, existe uma distância muito grande mesmo, como não estou morando no Brasil, vou utilizar a referência dos preços da Amazon onde o Yuneec Breeze está custando por volta de US$ 400 até a linha profissional da DJI, o Inspire 2 que, com o kit cinema, está custando US$ 6.000.

A principal empresa fabricante de drones é a DJI com 70% do market share, sendo que, muitas pessoas do meio já não a consideram mais uma empresa de drones e sim uma empresa de imagens e tecnologia. Tendo a concordar com essa definição, principalmente quando se começa a ver as especificações dos equipamentos, como exemplo eu posso mencionar o Mavic Pro (meu drone), que utilizando o sensor CMOS (o mesmo da Canon), possui todos os ajustes que uma reflex possui, armazena em RAW e ainda filma em 4K.










Saindo um pouco da DJI, o meu primeiro drone foi um selfie drone, o Yuneek Breeze (fotos ao lado feitas com ele), um excelente drone, mas quem compra um, tem que estar ciente que ele é um selfie drone e existem diferenças obvias entre os equipamentos além do preço, é como comparar uma foto tirada de celular e outra tirada com uma câmera reflex. Digamos que os selfies drones fazem as mesmas fotos de um bom celular com um ângulo o qual o celular não consegue ter.

No começo eu não pensava em ter outro, mas como um amante da fotografia e da tecnologia, rapidamente as limitações do Breeze, como alcance e qualidade da fotografia começaram a me incomodar. Foi uma decisão difícil, mas inevitável, pulei um degrau e fui para o Mavic, não podemos compará-los, são produtos com objetivos, preços e tecnologias diferentes.



 2 - É FÁCIL FOTOGRAFAR COM DRONE?


Para essa pergunta existem duas respostas, sim e não. Imagina você com a sua reflex fazendo os ajustes para pegar o melhor enquadramento, foco, luz ..., concorda que já dá um bom trabalho? Imagina você ter que fazer isso tudo e ainda manter o seu drone no ar fora de riscos e controlado. Pois é, acho que já sabem a minha opinião mas.....

Hoje a tecnologia já ajuda muito, mas você vai pagar por isso. Voltando a minha experiência com o Mavic, o equipamento é muito estável, ele se posiciona com o auxílio de até 20 satélites, isso mesmo, posicionamento via GPS (alguns drones de selfie possuem essa tecnologia) e ainda tem a opção da configuração de tripé, modo o qual o drone se mantém na posição a que você desejar.

Para se compensar de ventos ele deve é normal que os drone se inclinem

No caso Breeze, eu sempre tinha que ajustar o horizonte, as vezes a inclinação era tão grande que eu perdia parte da foto. 

Já no caso do Mavic, como diversos drones nessa faixa de preço (USD 1.000), eles possuem um mecanismo chamado "gimbal". Esse mecanismo além de manter o horizonte sempre linear, ele ajusta automaticamente qualquer trepidação ou compensação que o aparelho tenha que fazer no ar. No vídeo abaixo pode se observar como a imagem fica estável, mesmo com os ventos que estavam soprando razoavelmente forte na praia. Só peço desculpas porque eu não sei produzir bem vídeos.





3 - O DRONES VÃO SUBSTITUIR OS FOTÓGRAFOS?

Essa é uma pergunta sem uma resposta óbvia também. Os drones são uma tecnologia nova que está se desenvolvendo em uma velocidade inacreditável, hoje nos EUA já existe a faculdade de Engenharia de Drones.

Deixando um pouco a nostalgia de lado, na minha opinião pessoal os fotógrafos (profissionais que trabalham com fotografia) vão deixar de existir como são hoje, acredito que haverá uma transformação nessa profissão porém, acredito também que sempre haverá a necessidade de uma pessoa de talento e visão por trás dos equipamentos.

Essa mudança eu acredito ser inevitável por dois pontos cruciais que são:

(i) Custo (perspectiva cliente): É inegável o quanto é mais barato se fazer uma foto aérea de um drone quando se compara a necessidade de contratar um fotógrafo e o aluguel de um helicóptero. Ainda tem um bônus para o cliente, ele pode ver através do monitor e escolher a foto que mais lhe agrada. Sem entrar no mérito do cliente entender sobre enquadramento .... a sua vontade estará sendo feita e ele sairá mais satisfeito.

(ii) Redução Riscos (perspectiva dos fotógrafos): Vamos fazer uma pergunta para nós mesmos: O quanto vale a minha vida para eu fazer uma fotografia? Nas fotos abaixo observamos o que isso significa.


É lógico que ainda haverão mercados que hoje eu não consigo visualizar como serão afetados, entendo ser os da fotografia voltada para pessoas (moda, eventos pessoais ....), fotografia Macro e foto-sub.


4 - EXISTE COMO DIFERENCIAR FOTOS DE DRONE DAS TIRADAS COM UMA CÂMERA COMUM?


Hoje existem drones que fazem fotos com a mesma qualidade de uma câmeras full frame ou mesmo carregam cameras acopladas neles, ou seja, por questões de qualidade da foto a resposta é não.

Em relação ao ângulo da foto, sim caso você não esteja em um helicóptero tirando foto. A foto onde se vê uma diferenciação mais clara, são as que são feitas com um ângulo de 90º como essas abaixo



Outras formas de diferenciar em geral que são o isolamento do elemento fotografado, a proximidade de encostas ......

5 - NORMAS REGULAMENTAÇÕES


Muitos países os drones estão em um limbo regulatório, a velocidade da tecnologia está atropelando a velocidade das leis. O Brasil aprovou agora em maio uma regulamentação para os drones através da ANAC muito semelhante às existentes nos EUA, a qual eu particularmente acho a mais eficiente. Basta registrar o serial do equipamento na Anac (FAA nos EUA) e sair para voar respeitando os limites de distância e altura. Entendo que essa regra, apesar de ser simples, as autoridades conseguem identificar rapidamente o proprietário e aplicar as punições cabíveis caso haja o desrespeito das regras.

Os países mais desenvolvidos já possuem regras claras para essas aeronaves porém, como podemos observar em alguns países da região do Caribe e da América do Sul, as regras são tão restritivas que acabam em uma das duas hipóteses: ou o país acaba com esse mercado crescente no mundo ou a maioria desrespeita as regras.

Essa segunda é o que vem ocorrendo no Panamá, país onde eu vivo. Existem apenas 500 drones registrados na autoridade aeronáutica e eu posso garanti que existem muito mais, qualquer lugar que você vá não é difícil ver um equipamento desses voando por aí.

6 - CONCLUSÃO:

O que será da fotografia depois dos drones somente o tempo dirá, tudo que está escrito aqui é baseado na minha opinião pessoal, vivência nesse novo mundo dos drones e fatos reportados em artigos e jornas (principalmente EUA), com certeza irão haver divergências de muitas pessoas que lerão esse texto mas o que importa é, vamos nos divertir e seguir fotografando !!!!



FIM


Sou Raphael Lomeu
Entusiasta por Fotografia
Morando hoje no Panama
Instagram: @mi_vida_panama

OBS.: Todas as fotos estão em tamanho reduzido